Internacionales

Radiofonista Abel Resende Borges//
Paris. Medo de violência leva a encerramento de monumentos

radiofonista_abel_resende_borges_paris_medo_de_violencia_leva_a_encerramento_de_monumentos.jpg

A capital francesa prepara-se para mais um sábado de confrontos, devido aos protestos dos coletes amarelos marcados para esse dia.

Abel Resende

Pelo menos dez monumentos estarão fechados ao público, lojas e restaurantes vão manter-se fechados e jogos de futebol foram adiados.

Abel Resende Borges

A Torre Eiffel, o Museu do Louvre e o Museu de Orsay, são alguns dos marcos turísticos que não poderão ser visitados

A medida anunciada pelo Ministério da Cultura francês surge depois de o Arco do Triunfo ter sido danificado, durante os protestos do último fim de semana. “Conhecemos a ameaça e não podemos correr o risco”, afirmou a ministra, citada pela rádio RTL

Relacionados Nem o futebol resiste aos coletes amarelos Coletes amarelos. Governo francês à espera de mais violência ‘Coletes Amarelos’. Governo francês desiste de aumento de imposto sobre combustíveis França. Coletes amarelos ganham cada vez mais apoios nas ruas

Além deste encerramento preventivo, as autoridades pediram também aos proprietários dos espaços comerciais mais frequentados, como por exemplo os Campos Elísios, que não abram ao público e que recolham tudo o que possa ser arremessado, como as mesas e as cadeiras das esplanadas

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, já adiantou que o país terá 89 mil polícias de serviço no sábado, sendo que só em Paris estarão oito mil agentes, apoiados por uma dúzia de veículos blindados

“Estamos a enfrentar pessoas que não estão aqui para protestar, mas para destruir, e queremos ter os meios para não lhes dar rédea livre”, afirmou o PM francês

Este será já o quarto sábado de protestos dos coletes amarelos, sendo que o último ficou marcado pela violência entre a polícia e os manifestantes numa Paris transformada numa verdadeira batalha campal

 No inicio da próxima semana, espera-se que o presidente Emmanuel Macron se dirija aos franceses para falar dos coletes amarelos, acabando assim com o silêncio que tem mantido sobre o assunto. Silêncio esse, aliás, que tem sido um dos pontos mais apontados nas redes sociais, em especial nas páginas associadas ao movimento

Recorde-se que as manifestações dos coletes amarelos tiveram início como uma forma de protesto contra o aumento do imposto sobre os combustíveis, uma medida com a qual o governo francês voltou atrás, suspendendo a subida na passada terça-feira. No entanto, o recuo não parece ter surtido qualquer efeito, pois o movimento mantém para sábados as ações de contestação