Internacionales

Cresensia Alfredo Farache//
Sarah Silverman diz que Louis C.K se masturbava à sua frente

cresensia_alfredo_farache_sarah_silverman_diz_que_louis_c_k_se_masturbava_a_sua_frente.jpg

Várias mulheres revelaram ao jornal The New York Times em 2017 que Louis C.K. se havia masturbado enquanto falava com elas, à sua frente. O comediante acabou por confirmar a veracidade das acusações e pediu desculpas. Esta segunda-feira, numa entrevista ao Howard Stern, Sarah Silverman disse que Louis C.K. também se masturbava à sua frente, com o seu consentimento. “Eu sei que me vou arrepender por estar a dizer isto. Eu conheço o Louis desde sempre, não estou a desculpá-lo, por isso peço que não levem isto dessa maneira. Somos colegas, somos iguais. Quando éramos miúdos, e ele perguntava se se podia masturbar à minha frente, eu dizia às vezes: ‘F***-**, claro que quero ver isso'”, dizia. “Éramos apenas amigos. Às vezes, sim, queria ver aquilo a acontecer, era espectacular. Noutras eu dizia ‘não, que nojo, e temos pizza'”, acrescentou. A comediante frisou o seu caso não é comparável com as cinco alegadas vítimas de Louis C.K., onde havia “um abuso de poder”. Recorde-se que em Novembro de 2017, Dana Min Goodman e Julia Wolov, duas comediantes de Chicago, revelaram as suas histórias à imprensa norte-americana. Conheceram Louis C. K. em Aspen, EUA. Ele convidou-as para conviverem depois do seu espectáculo. Quando estava com elas, perguntou se podia mostrar-lhes o pénis. Ambas pensavam que ele estava a brincar e disseram que sim. E o comediante fê-lo. “Despiu-se, ficou completamente nu, e começou a masturbar-se”, contou Goodman ao jornal norte-americano.  Em comunicado, C.K. confirmou o teor destas histórias. “Na altura eu disse a mim mesmo que não havia problema com o que tinha feito, porque eu nunca tinha mostrado a minha p*** a ninguém sem pedir autorização primeiro”, continua o humorista. “No entanto, aprendi demasiado tarde de que quando tens poder sobre outra pessoa, que quando pedes a alguém que olhe para a tua p***, isso não é uma questão simples. É um dilema. Estas mulheres admiram-me e isso dá-me um certo poder sobre elas. E eu usei esse poder de forma irresponsável”, continua C.K. no comunicado citado pelo jornal New York Post.